UNÂNIMES

Olhar firme é o segredo para manter-se perseverante

Roberto Alexandre, 39 anos, casado e pai de dois filhos. Apaixonado por Jesus, foi chamado a pregar o Evangelho e despertar pessoas para atenderem ao chamado do Senhor

21 de setembro de 2017

“Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus.” (Hebreus 12:1-2)

A vida de um cristão é marcada por desafios, ser resiliente e perseverante, com certeza, é um dos maiores. Ele sempre terá de lutar. Lutar contra o pecado, os desejos, as frustrações, as decepções, as traições, o diabo, o mundo e até contra si. Não devemos nos enganar, essas lutas serão contínuas e ferrenhas. Elas se estenderão por toda a vida.

Infelizmente, muitos têm desistido antes de completar sua jornada e abandonado a fé, o chamado e até mesmo o próprio Senhor. Esses alegam vários motivos, mas, com certeza, entre todas as alegações podemos afirmar que não conseguiram permanecer fiéis exatamente por não serem resilientes ante as lutas da vida e dessa forma não perseveraram como deveriam fazer.

Eles até começam bem, contudo melhor do que começar bem, é manter-se firme durante toda a jornada até chegar ao fim. Em Hebreus 12:1-2 o autor exorta-nos a ter algumas atitudes que farão de nós pessoas resilientes e perseverantes.

Ele começa fazendo referência a uma nuvem de testemunhas que foram citadas no capítulo onze. Essa é a famosa galeria da fé, composta por homens e mulheres que fizeram história e marcaram suas gerações, demonstrando sua fé quando perseveraram mesmo diante de terríveis lutas.

Logo depois orienta-nos a livrar-nos daquilo que é peso e do pecado que tão de perto nos assedia. É importante observar que o peso nos atrapalha, nos torna lentos e impede nosso avanço, não necessariamente é pecado, mas me parece que pode nos tornar mais vulneráveis a ele.

Quanto ao pecado, ele nos envolve e faz isso constantemente. Essa é uma triste e terrível realidade. Diante dela devemos ter uma atitude perseverante de livrarmo-nos dele, o que exigirá de nós  grande esforço e dedicação, a fim de obtermos vitória nos momentos sombrios da vida.

A exortação continua e agora ela nos recomenda a correr com perseverança a corrida que nos está proposta. Quando leio isso só consigo me lembrar da cena onde a maratonista olímpica está concluindo sua prova. Ela chega cambaleando, tropeçando, precisa de ajuda depois que cruza a linha de chegada, mas ela cruza e isso é o que importa! Seu nome foi eternizado na história do esporte e hoje a suíça Gabrielle Andersen é uma inspiração para centenas de outros atletas.

A vida cristã é uma maratona cheia de desafios e provações, por isso a qualidade correr com perseverança vai determinar quem completa a prova e quem a abandona no meio do caminho. Lembre-se, como no exemplo de Gabrielle, o importante não é chegar em primeiro lugar e sim completar prova.

Por fim, o mais importante de tudo. Para manter-se perseverante, o cristão deve olhar. Olhar para onde? Não se trata de olhar para algum lugar e sim para alguém! Jesus, o autor e consumador da nossa fé deve ser o nosso maior exemplo de perseverança e resiliência, pois Ele diante da vergonha, dor e humilhação que o calvário lhe impunha, suportou! Suportou a dor, suportou o escarnio, suportou traição, suportou o abandono, suportou os açoites e os espancamentos, suportou a mentira, suportou o desprezo da cruz!

Jesus não passou por tudo isso simplesmente por ser um masoquista e gostar de sofrer. Havia algo maior e melhor que esperava por Ele depois da cruz, algo que lhe traria alegria. Ao assentar-se à direita do trono de Deus o Senhor retomou seu lugar de direito, mas agora Ele fez isso com uma alegria a mais, pois conquistou para si gente de toda língua, tribo e nação.

Refletindo no exemplo de Jesus, podemos concluir que nossas lutas não são tão grandes assim. Se o nosso Senhor suportou tudo aquilo, temos motivos para continuar, afinal não há nenhuma dor que dure para sempre. Haverá um dia de sol depois de uma longa tempestade, um motivo para sorrir no dia mau, então devemos manter-nos firmes, perseverantes e resilientes, sabendo que o sofrimento logo passará e o gozo de ter permanecido fiel ao Senhor encherá nossos corações. O segredo é olhar firme para Jesus, assim seremos perseverantes.